Pular para o menu

Acionista do frigorífico que comprou a Delta, BNDES rechaça insinuação de ingerência política no negócio

Publicar no Na Hora: 
off
Chapéu: 
POLÍTICA
Chamada: 
O banco repudiou “qualquer ilação de caráter político relacionada a sua presença como acionista da JBS”.

Alana Gandra
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) esclareceu, por meio de nota, que não foi consultado sobre a venda da Construtora Delta para a holding J&F, controladora do Grupo JBS, um dos maiores frigoríficos do mundo. O JBS tem o BNDES como financiador e acionista.

Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
off
Compartilhar:

BNDES e Caixa Econômica garantem financiamento para a cadeia de petróleo e gás

Publicar no Na Hora: 
Publicar no Na Hora

Chegou  A superintendente Regional de Negócios da Caixa Econômico Federal (CEF), Eugenia Regina de Melo, disse ontem (26/08), no Congresso Pré-Sal Brasil 2011, no Rio de Janeiro, que a Caixa, vem participando de vários financiamentos da cadeia produtiva de petróleo e gás. Segundo Eugênia, a CEF, espera fazer parte de todo o projeto de financiamento para as companhias de petróleo e fornecedores da cadeia produtiva, de forma a viabilizar todo o desenvolvimento do país.

Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
off
Compartilhar:

Frigorífico demite milhares, sindicalistas pedem ajuda ao BNDES

Publicar no Na Hora: 
Publicar no Na Hora

A Força Sindical pediu nesta terça (13) a intervenção do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no processo de demissão em massa de trabalhadores de frigoríficos do grupo JBS, maior produtor de carne do mundo. O banco detém 30,4% do capital total do JBS.

Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
off
Compartilhar:

BNDES VAI FINANCIAR OITO PARQUES EÓLICOS

Publicar no Na Hora: 
Publicar no Na Hora

O BNDES vai financiar oito parques eólicos no Rio Grande do Sul com R$ 445,7 milhões até 2013. A capacidade de geração dos empreendimentos somada será de 150 MW e as previsões de conclusão de cada unidade são diferentes.

Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
off
Compartilhar:

BNDES aprova financiamento de unidade da Refap

Publicar no Na Hora: 
Publicar no Na Hora

O BNDES aprovou financiamento de R$ 1,1 bilhão para a implantação de uma nova unidade de produção da Refinaria Alberto Pasqualini (Refap), em Canoas (RS), destinada ao processamento de diesel hidrotratado com teor de enxofre reduzido. Integrante do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o projeto prevê ainda a implantação de sistemas e instalações auxiliares no parque industrial da refinaria, pertencente à Petrobras. O investimento total é de R$ 1,6 bilhão.

Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
off
Compartilhar:

BNDES cancela participação na fusão entre Pão de Açúcar e Carrefour

Publicar no Na Hora: 
Publicar no Na Hora

Após dias de fortes rumores, foi confirmada no início da noite desta terça-feira (12) a retirada do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) da negociação de fusão entre Pão de Açúcar e Carrefour. O movito alegado para a decisão da BNDESPar – responsável por participações acionárias do banco em empresas – foi comunicado pelo Conselho de Administração do Grupo Casino, atual sócio de Abilío Diniz na rede varejista.

Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
off
Compartilhar:

Eike negocia investimento de R$ 3,2 bi com o BNDES

Publicar no Na Hora: 
Publicar no Na Hora

O empresário Eike Batista negocia com o BNDES duas operações de injeção de dinheiro em suas empresas que, somadas, chegam a R$ 3,2 bilhões. Está em curso um processo de capitalização da MPX, braço de energia da holding EBX, controlada por Eike, que chegará a R$ 1,3 bilhão. Desse total, pouco menos da metade, ou R$ 600 milhões, virá via BNDESPar, subsidiária de participação do banco, nos mesmos moldes pensados para a fusão do Pão de Açúcar/Carrefour. A BNDESPar irá subscrever debêntures conversíveis em ações emitidas pela MPX.

Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
off
Compartilhar:

Raízen critica ameaça de intervenção no setor de etanol

Publicar no Na Hora: 
Publicar no Na Hora

O presidente da Raízen, Vasco Dias, criticou hoje uma possível intervenção do governo no setor de etanol e a restrição de crédito para a fabricação de açúcar pelas usinas, como tem afirmado o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão. "Não adianta vir com artificialidade, porque não funciona. A oferta e a demanda do etanol regulam o mercado", disse Dias. "O açúcar é fundamental para a balança comercial do País e tem de ter a produção conjunta com etanol", completou o executivo, durante evento em Sumaré, no interior de São Paulo.

Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
off
Compartilhar:

Bolivianos rejeitam hidrelétrica que sirva ao crescimento do Brasil

Publicar no Na Hora: 
Publicar no Na Hora

Seminário marca críticas ao projeto de Cachuela Esperanza, na Amazônia boliviana, acusada de prejudicar a população local em prol do projeto econômico brasileiro

Militantes e especialistas rejeitam a possibilidade de que hidrelétricas construídas na Amazônia boliviana sirvam ao abastecimento da indústria do Brasil. Um seminário realizado este mês em Cochabamba, na região central boliviana, emitiu a conclusão de que o governo de Evo Morales não deve levar adiante a construção de usinas no meio da floresta. 

Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
off
Compartilhar:

BNDES prevê investir até R$ 35 bilhões em etanol e açúcar

Publicar no Na Hora: 
Publicar no Na Hora

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES), Luciano Coutinho, afirmou nesta segunda-feira (6) que o banco de fomento deve acelerar os investimentos em etanol e açúcar e liberar até R$ 35 bilhões para o setor até 2014, como parte dos esforços para dobrar a capacidade produtiva até 2020. De acordo com Coutinho, no ano passado foram investidos R$ 7,6 bilhões para o setor pelo BNDES.

Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
off
Compartilhar:
Divulgar conteúdo