Pular para o menu

Gasolina volta a subir e tem maior preço desde greve dos caminhoneiros

Publicar no Na Hora: 
Publicar no Na Hora
A Petrobras anuncia que o preço médio do litro da gasolina A sem tributo nas refinarias será de R$ 2,0369 a partir desta quarta-feira (11/7), indicando alta de 0,59% ante os atuais R$ 2,0249. 
Trata-se do maior preço desde 23 de maio, quando o país vivia o bloqueio de estradas provocado pela greve dos caminhoneiros.
Imagem para destaque: 
destaque
Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
off
Compartilhar:

Valor da cesta básica cai na maioria das capitais em setembro

Publicar no Na Hora: 
off
Chapéu: 
ECONOMIA
Chamada: 
Entre as quedas, as principais são de Campo Grande (-5,37%), BH (-2,79%) e Natal (-2,18%)

O valor da cesta básica calculado pelo Dieese caiu no mês passado em 11 das 18 capitais pesquisadas, com destaque para Recife (-1,99%), São Paulo (-1,39%), Natal (-1,18%), Campo Grande (-1,13%) e Salvador (-1,02%). As principais altas foram apuradas em Goiânia (1,36%), Aracaju (1,15%) e Brasília (1,10%), enquanto em Belo Horizonte praticamente não houve variação (0,01%). O instituto chama a atenção para a elevação do preço da carne, "em pleno período de entressafra", em todas as cidades.

Imagem para destaque: 
destaque
Crédito da imagem: 
CTB
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
Publicar no destaque secundário
Compartilhar:

Preço da gasolina e do diesel sobe nas refinarias nesta quarta

Publicar no Na Hora: 
Publicar no Na Hora

A Petrobras anunciou na noite desta terça-feira (29) um aumento de 6,6% no preço da gasolina comum (Gasolina A) e de 5,4% no preço do óleo diesel nas refinarias da companhia em todo o país a partir da meia-noite do dia 30.

Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
off
Compartilhar:

Gasolina segue vantajosa frente ao etanol na maioria dos estados

Publicar no Na Hora: 
Publicar no Na Hora

O preço do etanol hidratado, aquele vendido direto na bomba, recuou em 16 estados e no Distrito Federal. E subiu em outros sete estados, segundo balanço feito pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) - referente a semana passada. Nos estados da Amazônia, Pará e Roraima, os preços não sofreram mudanças expressivas.

Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
off
Compartilhar:

Cesta básica em 2011 ficou mais cara em 16 das 17 capitais pesquisadas, indica Dieese

Publicar no Na Hora: 
Publicar no Na Hora
Chamada: 
Aumento ficou em torno de 10% em 2011 em três das 17 capitais onde é feita a Pesquisa Nacional da Cesta Básica

O conjunto dos itens essenciais à mesa do brasileiro foi reajustado acima de 10% ao longo do ano passado em três das 17 capitais onde é feita a Pesquisa Nacional da Cesta Básica pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). A maior alta ocorreu em Vitória (13,8%) com o valor de R$ 275,39, em dezembro de 2011. A segunda maior elevação foi constatada em Belo Horizonte (11,75%) onde a cesta básica custava R$ 264,01, seguido por Florianópolis com alta de 10,2% e valor de R$ 262,44 no último mês de dezembro.

Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
off
Compartilhar:

Cai preço da cesta básica em Natal

Publicar no Na Hora: 
off
Chapéu: 
ECONOMIA
Chamada: 
A capital potiguar apresentou a maior queda, com - 6,17%. Os dados foram divulgados hoje (5) pelo Dieese

O preço da cesta básica caiu no mês de setembro em Natal. A capital potiguar apresentou a maior queda, com - 6,17%. O dados foram divulgados hoje (5) pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). 

Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
off
Compartilhar:

Preço da cesta básica cai em Natal mas sobe em 17 capitais

Publicar no Na Hora: 
Publicar no Na Hora
Chapéu: 
DIEESE
Chamada: 
Pesquisa aponta que em Natal o valor dos alimentos que compõem a cesta básica caiu 1,7%

O valor dos alimentos que compõem a cesta básica subiu em dez das 17 capitais pesquisadas pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese). As maiores altas foram verificadas no Rio de Janeiro (4,82%), em Porto Alegre (4,49%) e em Curitiba (2,19%). Entre as sete capitais que apresentaram retração, as mais significativas foram Fortaleza (-4,13%) e Natal (-1,70%). Na apuração anterior, que mediu a variação de junho para julho, a cesta havia ficado mais barata em 14 capitais.

Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
off
Compartilhar:

Gasolina: impossível prever impacto da nota de risco dos EUA no preço

Publicar no Na Hora: 
Publicar no Na Hora

Não é possível prever o impacto da queda da nota de risco dos Estados Unidos no preço do petróleo, disse hoje (8), em São Paulo, o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli. Na sexta-feira (5), agência de classificação de risco Standard & Poor''s rebaixou a nota (rating) AAA dos Estados Unidos para AA+.

Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
off
Compartilhar:

Petrobras não descarta aumento do preço da gasolina

Publicar no Na Hora: 
Publicar no Na Hora

Desde 2009 o preço do litro de gasolina está fixado em R$ 1,05, nas refinarias da estatal.

Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
off
Compartilhar:

Papel da Petrobras fica perto do menor preço da história

Publicar no Na Hora: 
Publicar no Na Hora

As ações preferenciais da Petrobras estão bem próximas do piso do papel, conquistado em novembro de 2008 por conta da crise financeira internacional, quando o preço chegou a R$ 16,75. Hoje, negociada a R$ 22,77 na venda, a ação amarga uma desvalorização de 15,14% em 2011. Nos últimos 12 meses a queda é de 7,37%. O papel da Petrobras segue o Ibovespa, principal indicador da Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (BM&F Bovespa). Nos mesmos intervalos, o indicador vem registrando retração de 14,99% no ano e de 12,71% nos últimos doze meses.

Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
off
Compartilhar:
Divulgar conteúdo