Pular para o menu

Câmara da Argentina se prepara para votar hoje expropriação de petrolífera

Publicar no Na Hora: 
Publicar no Na Hora
Chamada: 
Os parlamentares passaram o dia ontem discutindo o tema e sinalizaram que a maioria vai apoiar a proposta. Na semana pas

A Câmara dos Deputados da Argentina (formada por 257 parlamentares) se prepara para votar hoje (3) o projeto que autoriza a expropriação da petrolífera YPF, administrada pela espanhola Repsol, conforme decisão anunciada pela presidenta Cristina Kirchner no dia 16. Os parlamentares passaram o dia ontem discutindo o tema e sinalizaram que a maioria vai apoiar a proposta. Na semana passada, o Senado aprovou o projeto.

Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
off
Compartilhar:

Senado da Argentina aprova expropriação da petrolífera espanhola YPF

Publicar no Na Hora: 
Publicar no Na Hora
Chapéu: 
DISCUSSÃO
Chamada: 
A aprovação da proposta contou com o apoio dos partidos da base aliada e do governo

Renata Giraldi*
Repórter da Agência Brasil

Brasília – Na Argentina, o Senado aprovou na madrugada de hoje (26), por 63 votos a favor, 3 contra e 4 abstenções, o projeto que determina a expropriação de 51% das ações da petrolífera espanhola YPF. A aprovação da proposta contou com o apoio dos partidos da base aliada e do governo. A discussão em torno do tema durou mais de 14 horas. Apenas dois senadores faltaram à sessão. O texto argumenta que a expropriação atende a interesses públicos.

Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
off
Compartilhar:

Governo argentino anuncia renacionalização e estatização da YPF

Publicar no Na Hora: 
off
Chapéu: 
MUNDO DO PETRÓLEO
Chamada: 
Empresa passará ao controle dos governos federal e das províncias, com cotas de 51% e 49%, respectivamente

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, anunciou, no último dia 16, que irá determinar a renacionalização da petroleira YPF, filial da espanhola Repsol, no país. O projeto diz que 51% das ações da companhia passarão ao controle do governo federal, enquanto os outros 49% serão distribuídos entre as províncias. A YPF, privatizada nos anos 1990, controla 52% da capacidade de refinamento do país e dispõe de uma rede de 1.600 estações de serviços.

Crédito da imagem: 
Arquivo
Publicar no destaque principal: 
off
Publicar no destaque secundário: 
Publicar no destaque secundário
Compartilhar:
Divulgar conteúdo