Pular para o menu
1495732234
#OcupaBrasília

Acuado, Temer declara guerra aos trabalhadores brasileiros

José Araújo e Fátima Viana representaram SINDIPETRO-RN no ato realizado na capital Federal

25 de maio de 2017 às 14:10

destaque

Foto: FUP

O desgoverno Temer mergulha cada vez mais o país no caos. Os mais de 100 mil trabalhadores que ocuparam Brasília nesta quarta-feira, 24, em uma manifestação pacífica contra a retirada de direitos e em defesa da democracia, foram recebidos por balas de borracha, bombas de efeito moral e de gás lacrimogêneo, spray de pimenta e cacetadas pelos policiais que transformaram a Esplanada dos Ministérios em uma praça de guerra.

Pelo menos dois petroleiros foram feridos durante a manifestação, entre eles o coordenador do Sindipetro Norte Fluminense, Marcos Breda, atingido por uma bomba de efeito moral, quando tentava socorrer uma manifestante ferida, e o diretor do Sindipetro Bahia, Ivo Saraiva, atingido na perna por uma bala de borracha. Ambos passam bem, mas viveram momentos de muita tensão, assim como os demais petroleiros que se manifestavam pacificamente ao lado de centenas de milhares de outros trabalhadores e foram vítimas da violência covarde e desnecessária da polícia do Distrito Federal.

O SINDIPETRO-RN esteve representado na manifestação, sendo representado pelo coordenador geral, Dedé Araújo, e pela diretora de Finanças, Fátima Viana

Tropas Federais

Ao final da tarde, enquanto a polícia intensificava a repressão contra os manifestantes, desrespeitando, inclusive, os parlamentares que participavam do ato e pediam calma aos policiais, o governo ilegítimo de Temer autorizou a convocação das Tropas Federais. O decreto assinado pelo presidente que responde a crimes evoca ironicamente a manutenção da lei e da ordem, debochando mais uma vez do povo brasileiro.

"Isso faz lembrar os piores tempo da ditadura", afirmou o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre. "Mal a marcha chegou ao parlamento e já começou a ser reprimida com bombas em mulheres, crianças e trabalhadores que estão aqui só para defender seu direito de trabalhar livremente, terem seu direito trabalhista garantido, o acesso à Previdência. Mas se acham que vão nos intimidar, não vão. Vamos reconquistar a democracia neste país", acrescentou.

Em nota, a Frente Brasil Popular repudiou veementemente o uso de repressão policial e das Forças Armadas contra os cidadãos brasileiros que participaram da Marcha da classe Trabalhadora. “O uso das Forças Armadas, de bombas de gás lacrimogêneo e bala de borracha demonstra a atual fraqueza do governo de Michel Temer e seus aliados, ainda mais instável após as inúmeras denúncias de corrupção que envolvem o próprio presidente”, ressalta a nota.

“Sem forças, sem apoio popular e vendo sua base golpista pular do barco, Temer criminaliza e persegue os movimentos sociais. Fomos às ruas hoje para exigir a saída do presidente, eleições diretas e a retirada das reformas da previdência e trabalhista e serão as ruas os nossos espaços sociais de luta até a derrubada de Temer e sua pauta de retirada de direitos”, afirmam os integrantes da frente Brasil Popular.

(Da FUP, com informações do SINDIPETRO-RN / Fotos: FUP e SINDIPETRO-RN)