Pular para o menu
1358295286
Participação nos Lucros

Categoria intensifica mobilizações preparando paralisação nacional

Atos e manifestações multiplicam-se em todas as bases da Petrobrás no Rio Grande do Norte

15 de janeiro de 2013 às 21:14

destaque

Foto: Arquivo

Intensificar as mobilizações a fim de construir a paralisação nacional do dia 28 de janeiro. Esta é a palavra-de-ordem que vem empolgando e mobilizando trabalhadores e trabalhadoras da Petrobrás no Rio Grande do Norte. O movimento luta para que a PLR-2012 tenha valor máximo e igual para todos, e para que seja aberto um processo democrático de regramento do pagamento das PLR’s futuras. Desde que o Conselho Deliberativo da FUP aprovou a realização da paralisação, atos e manifestações têm se multiplicado, em todas as principais bases da Companhia no Estado.

Em Natal, na madrugada desta terça-feira, 15, a exemplo do que já ocorrera ontem, trabalhadores e trabalhadoras lotados no Alto do Rodrigues decidiram atrasar o embarque. Mais tarde, foi a vez dos companheiros e companheiras do Polo Guamaré. No período de retardo, assim como nas setoriais realizadas durante a manhã, na sede Natal, foram realizados debates sobre a conjuntura política, econômica e a atuação da Petrobrás. A opinião generalizada é a de que a gestão Graça Foster representa uma aliança do tecnicismo com os acionistas privados, sendo o Programa de Otimização de Custos Operacionais (Procop) a expressão maior dessa junção de interesses.

Segundo informações divulgadas pela Petrobrás, no blog “Fatos e Dados”, em dezembro de 2012, o Procop tem como meta, para o período de 2013/2016, uma redução de custos da ordem de R$ 32 bilhões. Como fará isso sem afetar direitos trabalhistas, rebaixar condições da ambiência e alterar o papel da Companhia, tanto como instrumento de indução do desenvolvimento econômico nacional, quanto de redução das desigualdades regionais, é o que todos se perguntam. O certo é que, de todas as variáveis, a menos plausível é a de que os interesses dos acionistas privados venham a ser prejudicados.

Mossoró – Ainda nesta terça-feira, 15, trabalhadores do Canto do Amaro, em Mossoró, realizaram uma grande manifestação. O chamado “trancaço”, concentração nos portões de acesso à unidade que breca a entrada ou saída de efetivos, cargas e serviços, durou das 7 às 11 horas. No mesmo período, os trabalhadores suspenderam a emissão de PTs,

Para esta quarta-feira, 16, o SINDIPETRO-RN programa a continuidade de atividades na região, com mobilizações em Lorena e Riacho da Forquilha. Paralelamente, o coordenador-geral da entidade, José Araújo, encontra-se em Brasília, participando de reunião com o Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais – DEST, órgão do Ministério do Planejamento. Em pauta, regramento da PLR na Petrobrás. 

Compartilhar: