Pular para o menu
1313521214
ESTABILIDADE

Crise não muda plano de investimento da Petrobras, diz Gabrielli

“A crise é importante, mas não pode mudar um plano estratégico de longo prazo”, comentou Gabrielli

16 de agosto de 2011 às 16:00

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, disse hoje que a crise externa não pode ser ignorada, mas descartou mudanças no programa de investimento da estatal, que prevê o aporte de US$ 224,7 bilhões no período entre 2011 e 2015.

“A crise é importante, mas não pode mudar um plano estratégico de longo prazo”, comentou Gabrielli.

O executivo repetiu os argumentos que foram colocados pela Petrobras quando a estatal decidiu acelerar os investimentos no auge da crise financeira deflagrada em setembro de 2008, com a quebra do Lehman Brothers. A companhia parte da premissa de que a relação entre oferta e demanda seguirá apertada nos próximos anos.

Conforme Gabrielli, mesmo em um cenário de estabilidade no consumo – entre 85 e 88 milhões de barris por dia – o mundo precisaria adicionar entre 45 e 65 milhões de barris de “petróleo novo” apenas para repor o declínio de produtividade dos poços.

Gabrielli reconheceu que a desvalorização dos papéis da Petrobras é um ponto de preocupação, mas avaliou que as tensões sobre os desdobramentos da crise externa – o que inclui o receio sobre um novo mergulho da economia americana – levaram o desempenho das ações a se descolar dos fundamentos da empresa.

Nesse caso, Gabrielli lembrou que a companhia petroleira registrou recorde de lucro no primeiro semestre, com resultados operacionais classificados por ele como extraordinários.

O executivo informou que a estatal não trabalha, pelo menos neste momento, com o plano de realizar um programa de recompra de ações. “Recompra de ações é feita por empresas que têm dinheiro em caixa, mas não têm projetos. Temos dinheiro em caixa, mas também temos projeto”, afirmou.


Fonte: Eduardo Laguna/ Valor

Compartilhar: