Pular para o menu
1512663839

CTB repudia comentário da Folha e avisa: “Não negociamos direitos da classe trabalhadora”

07 de dezembro de 2017 às 13:23

destaque

Foto: Arquivo

A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil - CTB repudia insinuação publicada nesta quinta-feira (7) na coluna Painel da Folha de S. Paulo.

É irresponsável a manipulação das informações sobre uma negociação em que o governo liberará recursos em troca de apoio para a reforma da Previdência.

Há de se destacar que esses recursos são parte de um litígio, e tanto o governo como o Ministério do Trabalho e Emprego - MTE reconheceram a legalidade do pleito, devendo restituí-los às entidades sindicais.

Ressalte-se ainda que essa devolução é apenas parte do valor apurado até então pelo grupo de trabalho que conta com a participação do governo, Ministério Público do Trabalho - MPT, Centrais Sindicais, Advocacia Geral da União (AGU) e Caixa Econômica Federal.

O MTE detém mais de 300 processos que reclamam recursos provenientes da Contribuição Sindical que, recebidos pelo governo, não tiveram a destinação às entidades sindicais.

Com o reconhecimento do governo e do MPT, por meio do Procurador Geral do Trabalho, Ronaldo Fleury, foi assinado um TERMO DE MEDIAÇÃO, que ratificou a necessidade de uma Portaria para instalação de um Grupo de Trabalho.

Este, já instalado, com a participação de todos, busca a apuração dos números para procedimento do ressarcimento dos recursos. Vale salientar que os valores são devidos às entidades sindicais e PATRONAIS.

A Folha mente e que fique claro: o governo não está liberando recursos, está devolvendo o que por direito é da classe trabalhadora.

O objetivo de tamanho ataque ao movimento sindical não tem outro fim senão o de desestabilizar as centrais e esvaziar a luta contra a reforma da Previdência, que acaba com a nossa aposentadoria.

A CTB não negocia os direitos dos trabalhadores e das trabalhadoras e reitera seu compromisso de lutar contra os ataques do governo ilegítimo Michel Temer.

A orientação para atual etapa é a construção da GREVE em defesa da aposentadoria e a palavra de ordem que nos une é “Se botar para votar, o Brasil vai parar!”.

Adilson Araújo
Presidente Nacional da CTB