Pular para o menu
1413907992

De olho no pré-sal, Bloomberg diz que cartéis do petróleo querem Aécio

21 de outubro de 2014 às 13:13

destaque

Foto: Portal Vermelho

Em artigo publicado na agência de notícias Bloomberg, ligado ao sistema financeiro com sede nos Estados Unidos, afirma que a eventual eleição de Aécio Neves (PSDB) representaria um ganho da “Shell à Halliburton”, ou seja, a todas as empresas de cartéis do petróleo norte-americano.

 

Muda Mais
 

A esperança de eleição tucana por parte dos cartéis se deve ao fato de que o representante neoliberal já acenou - com os dois braços - que vai adotar a receita do capital internacional de um modelo de exploração do pré-sal brasileiro voltado ao mercado, o que é completamente diferente do que está em prática atualmente pelo governo da presidenta Dilma Rousseff.

Leilão de licenças de exploração

No artigo, que trata o petróleo brasileiro “como o mais valioso estoque do óleo do mundo”, diz que a perspectiva de uma mudança de regime na concessão do petróleo brasileiro abre as portas para empresas estrangeiras explorarem mais nossa riqueza energética. Segundo o Bloomberg, Aécio Neves é bom porque ele promete leiloar licenças de exploração de petróleo mais frequentemente, aumentar os preços dos combustíveis e facilitar os requisitos e procedimentos para a indústria petroleira mundial.

A política que agrada o capital internacional, não é boa para a Petrobras, nem para os brasileiros, que terão o patrimônio nacional reduzido e o petróleo ser revertido em riqueza para estrangeiros.

Os especuladores não poupam elogios ao seu representante. Diz o artigo: “O candidato da oposição Aécio Neves promete leiloar licenças de exploração com mais frequência, aumentar os preços dos combustíveis e facilitar o processo legal e burocrático para as petroleiras estrangeiras. Neves, cujo partido PSDB abriu o Petróleo para as petroleiras estrangeiros no final dos anos 90, surpreendeu os analistas ao ficar em segundo lugar na votação 5 de outubro e forçar um segundo turno eleitoral. A frustração entre as empresas de petróleo e seus investidores com o Presidente Dilma Rousseff tem crescido desde que assumiu o cargo em 2011”.

Abrir aos cartéis do petróleo

Em outro trecho, a agência cita como fonte Robbert van Batenburg, diretor de estratégia de mercado na corretora Newedge EUA LLC, que afirma: “Se Neves ganhar ele vai abrir aos investidores estrangeiros. Essas restrições às importações e barreiras comerciais não nos ajudam. Se ele ganhar, ele vai reverter todas as restrições”. O artigo também critica o fato da Petrobras controlar essa riqueza nacional e reverter seus lucros em benefício da população. 

Especuladores na torcida tucana

Não é o primeiro editorial que o site americano publica sobre as eleições. No começo de outubro, o Bloomberg se mostrou desapontando com o fato de mais da metade dos eleitores brasileiros terem votado na presidenta Dilma no primeiro turno.

O texto constata que, enquanto os pobres apoiam Dilma, os investidores e empresários estão do lado de Aécio Neves. Apesar de perceber e pontuar a diferença entre os candidatos, o artigo joga o seu veneno ao afirmar que Dilma “se envolve em ataques cínicos” e que sua campanha tenta “pintar” Aécio Neves como o candidato da elite. 

Muito dinheiro aos pobres

O editorial defende ainda que mudanças são necessárias para impulsionar o crescimento econômico o que representam “desafios políticos espinhosos”, como mudanças nas leis trabalhistas e no regime fiscal. Aliás, sobre as leis trabalhistas brasileiras, o site as define como muito “rígidas”.

Sobre as conquistas sociais e o combate às desigualdades, eles criticam o que chamam de gasto com o bem-estar social. O texto informa que o Brasil gasta mais de 10% do seu PIB com programas sociais que eles chamam de “sistema de pensões”. E não para por aí. Criticam o Bolsa Família dizendo que um número considerável de destinatários têm rendimentos acima dos níveis de elegibilidade, mas admitem que o programa é muito elogiado pelos pagamentos em dinheiro aos pobres.

Da redação do Portal Vermelho
Com informações de agências

Compartilhar: