Pular para o menu
1309877990

Eike negocia investimento de R$ 3,2 bi com o BNDES

05 de julho de 2011 às 11:59

O empresário Eike Batista negocia com o BNDES duas operações de injeção de dinheiro em suas empresas que, somadas, chegam a R$ 3,2 bilhões. Está em curso um processo de capitalização da MPX, braço de energia da holding EBX, controlada por Eike, que chegará a R$ 1,3 bilhão. Desse total, pouco menos da metade, ou R$ 600 milhões, virá via BNDESPar, subsidiária de participação do banco, nos mesmos moldes pensados para a fusão do Pão de Açúcar/Carrefour. A BNDESPar irá subscrever debêntures conversíveis em ações emitidas pela MPX. E com isso o banco, que já é sócio da empresa, aumentará ainda mais a sua fatia no grupo.

Além da BNDESPar, participarão da capitalização da MPX a Gávea Investimentos e o próprio Eike Batista, que irão aportar R$ 200 milhões cada um. Se os minoritários aderirem à operação para acompanhar os sócios, terão que colocar mais R$ 370 milhões na operação. Para a OSX, empresa de construção naval de Eike, é esperada a liberação de uma linha de crédito de R$ 2,7 bilhões via BNDES para as obras de seu estaleiro, no porto Açu, no Rio. Eike Batista disse que a construção do estaleiro está orçada em pouco mais de R$ 3 bilhões e que os R$ 2,7 bilhões do empréstimo virão do Fundo da Marinha Mercante, do governo federal.

CAIXA E BB

De acordo com o diretor financeiro da OSX, Roberto Monteiro, não está garantido que o BNDES será o responsável pelo repasse do dinheiro, já que a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil também são habilitados para a liberação dos recursos do fundo. Mas Monteiro confirmou que a operação foi enquadrada junto ao BNDES. O grupo EBX informou que, dos R$ 35 bilhões previstos em seu plano de investimentos para o período 2007-2012, R$ 5,9 bilhões vêm de linhas já aprovadas ou em negociação com o BNDES.

Do total, R$ 3,3 bilhões são relativos a empréstimos diretos e o restante é proveniente de repasses. Na semana passada, a OSX obteve a licença ambiental do estaleiro e conseguiu junto ao Conselho Diretor do Fundo de Marinha Mercante o enquadramento da obra como prioritária. Entre os projetos que o Conselho Diretor do Fundo de Marinha Mercante concedeu status de prioridade, o estaleiro da OGX é o de maior valor. Em seguida vem o estaleiro da empresa Indústria Naval de Pernambuco, a ser construído no norte do Estado do Rio, cujo valor é de R$ 731 milhões.

ESTALEIRO
Segundo Eike, na estrutura de capital elaborada para a construção do estaleiro está previsto o aporte de capital próprio, além dos R$ 2,7 bilhões do BNDES. O dinheiro virá da oferta inicial de ações realizada no ano passado pela OSX (IPO na sigla em inglês), que foi considerada um fracasso na ocasião. Dos R$ 9,9 bilhões previstos, a empresa levantou pouco menos de R$ 3 bilhões. O estaleiro da OSX utilizará tecnologia da sul-coreana Hyundai e ficará pronto em 2014.

Fonte: Folha Online

Compartilhar: