Pular para o menu
1311168515

Esquema teria desviado recursos do Aeroporto de São Gonçalo

20 de julho de 2011 às 10:28

Polícia Federal abriu três inquéritos para apurar denúncias do Ministério Público Federal e do Militar; empresa suspeita já era investigada na Via Ápia.

O Aeroporto Internacional de São Gonçalo do Amarante se tornou objeto de investigação de três inquéritos da Polícia Federal por suspeistas de desvios de dinheiro destinado à sua construção, informa o jornal Folha de São Paulo na edição desta quarta-feira (20).

De acordo com a matéria "Aeroporto-modelo da Copa é alvo de investigação da PF", o Ministério Público Federal e o Militar suspeitam que a Força pagou a uma empresa por serviços que teriam sido prestados pelos próprios militares.

A procuradora Cibele da Fonseca, da Procuradoria da República no Rio Grande do Norte, enviou à PF ofício pedindo investigação da suposta prática do crime de peculato.

Quatro licitações do Exército, vencidas pela empresa Pedreira Potiguar, entre 2008 e 2010 estão sob suspeita. A principal diz respeito a uma concorrência de R$ 13,2 milhões feita pelo 1º Batalhão de Engenharia de Construção (BEC) para o fornecimento de asfalto usado nas pistas de pouso e nos pátios do aeroposto. Já foram pagos R$ 12,6 milhões.

Dono da construtora foi investigo na Via Ápia

O proprietário da Pedreira Potiguar, José Luís Arantes Horto, já consta em outra investigação da PF: a Via Ápia, que apurou desvios em obras da BR-101. O caso levou à prisão de Gledson Maia, ex-dirigente do Dnit, sob suspeita de corrupção.

A Potiguar e outra empresa de Horto, a Transpedras, doaram, cada uma, R$ 75 mil para o PR - que comanda o Ministério dos Transportes - na última eleição.

Ainda de acordo com a matéria da Folha, a Procuradoria de Justiça Militar no Recife já tem indícios de que o 1º BEC teria feito pagamentos à empresa em troca de material produzido na usina de asfalto do batalhão.

A Procuradoria Militar encontrou envidências de que parte dos serviços de construção de canaletas foi feita por soldados do batalhão e não por funcionários da empresa, como previa o edital de uma das licitações.

Empresa nega acusações

A Pedreira Potiguar negou a participação em qualquer irregularidade. De acordo com o diretor Wesley Santos, "as questões sobre os contratos solicitadas pelos órgãos competentes já foram respondidas pela empresa".

O Exército informou que não iria se manifestar sobre o assunto. Disse que não lhe cabe "emitir qualquer tipo de informação sobre seu conteúdo, em razão do que está previsto no Código de Processo Penal Militar".

O advogado Flaviano Gama, que defende o ex-chefe de Engenharia do Dnit-RN Gledson Maia, disse que seu cliente mantém relação de amizade com o dono da Pedreira Potiguar, José Luís Arantes Horto, mas não o favoreceu em contratos.

Fonte: Nominuto.com

Compartilhar: