Pular para o menu
1397504022
Setor Privado

Greve dos Trabalhadores da Empercom segue firme em seu sétimo dia

Funcionários reivindicam pagamento de salários e benefícios em atraso

14 de abril de 2014 às 16:33

destaque

Foto: SINDIPETRO-RN

A greve dos trabalhadores e trabalhadoras da Empercom entra em seu sétimo dia sem previsão de encerramento. Reunidos em assembleia nesta segunda-feira, 14, os trabalhadores da Empresa voltaram a afirmar que só retomam as atividades mediante pagamento de salários e benefícios em atraso. Ciente da informação, a Terceirizada busca antecipar junto à Petrobrás o repasse referente aos serviços prestados no intuito de liquidar os débitos, considerando que não tem dinheiro em caixa, nem crédito no banco.

Segundo o Diretor do Setor Privado, Manoel Assunção, o SINDIPETRO-RN já entrou com pedido na justiça para bloqueio dos recursos disponíveis da Empercom na Companhia. O objetivo é priorizar o pagamento dos valores trabalhistas em sua totalidade, encaminhando o que sobrar do montante devido à Terceirizada.  

Solidariedade de classe - Além de terem que enfrentar as dificuldades decorrentes do atraso de pagamento, inadimplência com o plano de saúde e diversas outras obrigações e benefícios, os trabalhadores da Empercom também estão enfrentando o assédio moral. Denúncias dão conta de que alguns gestores vêm mandando mensagens de conteúdo intimidador para funcionários por meio do ‘Whatsapp’, aplicativo característico de aparelhos com o sistema ‘Android’ para conversa em tempo real.

Houve ainda registros de que esses mesmo gestores mandaram pelegos cortarem a cerca atrás da Base 34 para entrar nas instalações, desviando do movimento paredista instalado em frente à unidade.  

Solidários com a situação enfrentada pelos funcionários da Empresa privada, trabalhadores de outras Empresas, inclusive da Petrobrás, se uniram à atividade. A ideia, de acordo com os diretores Calos Henrique e Joacir, é protestar contra os calotes de uma maneira geral, cada dia mais frequentes entre o rol de contratadas da Estatal. O entendimento que prevalece é que unida a classe trabalhadora irá garantir o cumprimento de seus direitos e o avanço nas causas reivindicadas. 

Compartilhar: