Pular para o menu
1383681692
Calote

Greve na ETX está próxima de completar um mês

Trabalhadores estão cansados de promessas não cumpridas

05 de novembro de 2013 às 17:01

destaque

Foto: Deivson Mendes

Nova audiência no Ministério Público do Trabalho - MPT. Esta foi a decisão tomada pela Gerência da CPT da Petrobrás após reunião com o SINDIPETRO-RN e representantes da ETX para tentar solucionar pendências trabalhistas da Terceirizada. O encontro foi realizado na última segunda-feira, 4, na Base 34, em Mossoró. Após vários acordos emergenciais não cumpridos pela Empresa, a expectativa é de que, desta vez, seja possível encontrar uma solução para o impasse que motiva a greve, que já dura quase um mês. A nova audiência acontece na próxima terça-feira, às 15h00, no prédio do MPT, em Mossoró.

Durante a reunião na Petrobrás, representantes do Sindicato destacaram a falta de compromisso da ETX com o cumprimento dos acordos que têm sido estabelecidos em diferentes mesas de negociação. De acordo com o diretor da entidade, Pedro Idalino, “na ultima audiência com o Procurador do Trabalho, Antônio Gleydson Gadelha, a empresa prometeu quitar integralmente todos os salários e benefícios em atraso, no prazo de 24 horas, mas não foi isso o que ocorreu”. “Os trabalhadores já estão cansados de tantas promessas”, protestou Idalino.

Prova disso é que muitos empregados deram entrada em pedidos de rescisão indireta do contrato de trabalho. Este é o caso, por exemplo, do delegado sindical da Base da ETX, Sharlles de Gaule. “Após quatro anos de dedicação à Empresa, o sentimento que fica é de resignação e decepção. Sei que dei o meu melhor. O que vai permanecer, agora, são os laços de amizade e o sentimento de dever cumprido como representante legal do Sindicato”, lamentou o diretor.

Flavio Barreto, supervisor da ETX, reconhece que a empresa passa por dificuldades. Segundo ele, até agora, o prejuízo com a greve alcança R$ 2,8 milhões, equivalente a três folhas de pagamento. J.P ÓLEO e LUPATECH S.A., fornecedoras de equipamentos e serviços no setor de petróleo e gás, já solicitaram na Justiça duas sondas operadas pela Terceirizada. O motivo do pleito coincide com o que vem afetando os trbalhadores: falta de pagamento da remuneração devida.

Compartilhar: