Pular para o menu
1296239797

Inflação é uma barreira contra aumento da renda dos trabalhadores

28 de janeiro de 2011 às 15:36

A inflação em alta contribuiu para que a recuperação do rendimento médio real dos trabalhadores ocupados nas seis regiões metropolitanas analisadas pela Pesquisa Mensal de Emprego (PME) ficasse abaixo do esperado um ano depois da crise financeira internacional. Em 2010 o rendimento médio real ficou em R$ 1.490,61, apenas 3,8% acima dos R$ 1.436,69 médios de 2009. O avanço está em linha com a alta de 3,2% registrada pelo rendimento entre 2008 e 2009.

"A inflação tem peso para o progresso do rendimento ter sido mais tímido do que se poderia esperar. A inflação funciona como uma espécie de barreira para o rendimento", disse o gerente da PME, Cimar Azeredo. "Mas há vários fatores. A própria formalização pode contribuir para a queda do rendimento", acrescentou.

Os dados divulgados hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram ainda que o rendimento médio real subiu 19% entre 2003 e 2004. Azeredo lembrou que em dezembro o rendimento médio real ficou em R$ 1.515,10, 0,7% abaixo dos R$ 1.526,36 de novembro.

Pleno emprego é ilusão

O gerente da PME ressaltou que São Paulo ainda apresentou, em 2010, o maior rendimento médio real, com R$ 1.615,73 de média anual. A diferença para as demais regiões metropolitanas está, no entanto, regredindo, já que o rendimento na maior região metropolitana do país cresceu apenas 0,4% no ano passado e 13,1% desde 2003, o menor patamar entre as regiões pesquisadas.

Azeredo também criticou a ideia de que a economia opera com pleno emprego ao analisar a taxa de desocupação de 6,7% na média do ano. Segundo ele, há grandes desigualdades entre as diferentes regiões metropolitanas. Porto Alegre, por exemplo, fechou 2010 com média de 4,5%, enquanto Salvador apresentou desemprego médio de 11%.

"Como falar de pleno emprego em um país em que diferenças regionais são tão grandes?", questionou o técnico do IBGE. O Dieese estimou em 11% a taxa de desemprego em sete regiões metropolitanas em 2010. Isto significa um exército de reserva de 2,6 milhões de trabalhadores. Embora em alguns ramos e profissões seja patente a carência de mão-de-obra no geral o contingente de desempregados permanece elevado.

Portal Vermelho

Compartilhar: