Pular para o menu
1369060742

Mortes no rastro da privatização do petróleo

Petroleiro morre em plataforma da Queiroz Galvão contratada pela Petrobrás

20 de maio de 2013 às 11:39

Um dia após ter arrematado oito blocos de petróleo na11ª  Rodada, a Queiroz Galvão protagonizou mais um acidente de trabalho em suas plataformas. Mirival Costa da Silva, de apenas 35 anos, perdeu a vida em um acidente na manhã do último dia 15, à bordo da SS-83, plataforma de perfuração da Queiroz Galvão, contratada pela Petrobrás na Bacia de Santos. Ele caiu de uma das cestas da plataforma, a uma altura de sete metros, quando realizava uma operação. Foi o terceiro acidente fatal este ano no Sistema Petrobrás, envolvendo trabalhadores terceirizados. No ano passado, outra plataforma da Queiroz Galvão contratada pela estatal, a SS-39, na Bacia de Campos, sofreu um incêndio com 102 trabalhadores a bordo e chegou a adernar. Por sorte, ninguém se feriu.   

Além de comprometer a soberania energética, a privatização e terceirização das atividades de petróleo têm precarizado as relações de trabalho no Brasil, deixando um rastro de mortes, amputações, doenças crônicas e acidentes ambientais. As petrolíferas privadas só visam o lucro. Não têm qualquer compromisso social ou com a soberania do país e menos ainda com os trabalhadores. A maior parte dessas empresas atuade forma antissindical, desrespeita a legislação e tem por prática a terceirização de atividades fins, como já vem acontecendo na Petrobrás. Desde 1995, pelo menos 328 petroleiros morreram em acidentes de trabalho no Sistema Petrobrás, dos quais 264 eram contratados de empresas privadas.

FUP

Compartilhar: