Pular para o menu
1458573644
Política

Mossoroenses vão às ruas contra impeachment e pela democracia

Segundo a FBP, em Mossoró, mil pessoas manifestaram apoio ao movimento nacional

21 de março de 2016 às 12:20

destaque

Foto: Deivson Mendes

O primeiro grande ato deste ano foi marcado pela luta para garantir direitos e contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Convocado pela Frente Brasil Popular e organizada pelas centrais sindicais, sindicatos e partidos de esquerda, o movimento reuniu centenas de pessoas na sexta-feira, 18, em Mossoró.

Reunidos desde ás 15h em frente à igreja católica do bairro, Alto de São Manoel, manifestantes desceram a Av. Presidente Dutra em direção ao Teato Dix-Huit Rosado, onde foi realizado o ato de encerramento.

Segundo Aldeirton Pereira, diretor da CTB em Mossoró e membro da comissão organizadora da manifestação, cerca de mil pessoas estiveram presentes na atividade que aconteceu simultaneamente em várias cidades do país. “Não admitiremos o retrocesso nos direitos do povo brasileiro. Estamos nas ruas, nas cidade e nos Estados em defesa das conquistas políticas e sociais, da democracia, da liberdade e contra a tentativa de golpe”, explica o dirigente.

Para o diretor do SINDIPETRO-RN em Mossoró, Pedro Idalino, o sindicato tem papel importante no apoio das atividades promovidas pela Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB e contra o retrocesso de investimentos feitos pela diretoria da Petrobras. “A diretoria do SINDIPETRO-RN, vai às rua em defesa de mais direitos, avanços para a classe trabalhadora, e indiscutivelmente, a favor da democracia. A categoria petroleira está convocada a participar das atividades, principalmente quando a Petrobras está sendo atingida por severos ataques de desmonte e de tentativas de entrega-la ao capital internacional, por isso, convidamos todos os petroleiros a se engajarem nessa luta”.   

Para o representante da União Nacional dos Estudantes – UNE em Mossoró, Rodrigo Lima, a participação dos estudantes é fundamental para preservar os direitos da população e defender a democracia.  “A juventude sai mais uma vez às ruas para defender a democracia, exigir mais investimentos na educação e combater a corrupção com a proposta de uma reforma política que acabe com a hegemonia do poder econômico nas eleições”, explica Rodrigo.

Compartilhar: