Pular para o menu
1408143031
Para não esquecer

"O Livro Negro da Ditadura Militar” é relançado no XVI CONFUP

Obra que denuncia atrocidades foi escrita, impressa e distribuída na clandestinidade

15 de agosto de 2014 às 19:50

destaque

Foto: Deivson Mendes

Com o cinquentenário do golpe militar, em 2014, nada mais adequado que mostrar às novas gerações um pouco da história do Brasil que não pôde ser revelada durante o período em que a ditadura esteve instalada no País. O relançamento de “O Livro Negro da Ditadura Militar”, na última quinta-feira, 14, durante o XVI CONFUP, tem esse propósito. Na ocasião, esteve presente o jornalista Bernardo Joffily. Juntamente com Carlos Azevedo, Divo e Raquel Guisoni, Duarte Pereira, Elifas Andreato, Jô Moraes e Márcio Bueno, Bernardo integrou o grupo que produziu o trabalho em 1972.

O livro-denúncia captura em flagrante delito as atrocidades que a ditadura cometeu em nosso país. Bernardo Joffily lembra que tinha apenas 21 anos quando a obra começou a ser escrita. Iniciativa da organização denominada Ação Popular (AP), ele é um caso único na saga da resistência antiditatorial: um trabalho inteiramente pesquisado, escrito, impresso e distribuído na mais completa clandestinidade. “Não poderia haver alarde sobre a nossa atuação, mas sabíamos da importância em documentar as perseguições, tortura e discriminação promovida pelos militares”, revelou Bernardo

Presente à solenidade de relançamento do livro, o ex-petroleiro Carlos Marighela ressaltou a união e a coragem dos jovens da época que, segundo ele, devem servir de inspiração para as novas gerações. “É imprescindível conhecer a importância da construção política do nosso país para que cenas de censura, como as sofridas naquele período, não voltem a acontecer”, ressaltou.

Também presente ao evento, o diretor da Secretaria de Aposentados e Pensionistas do SINDIPETRO – RN, Claudionor Arruda, elogiou a iniciativa. “É algo louvável e que merece todo reconhecimento. Muitos dos meus colegas petroleiros  foram torturados e humilhados por terem uma ideologia política diferente”, lembrou. A cerimônia contou com a presença dos delegados, convidados e assessores participantes do Congresso da FUP, no Hotel Pirâmide, em Natal.

 

Compartilhar: