Pular para o menu
1501171219
GESTÃO TEMERÁRIA

Petrobrás mente em fato relevante sobre desmonte das refinarias

Em informe divulgado quarta, 26, FUP desmente mentiras dos gestores da Companhia

27 de julho de 2017 às 13:00

Em fato relevante divulgado na noite desta terça-feira, 25, a direção da Petrobrás mente grosseiramente, na tentativa de reverter as ações judiciais que suspenderam o estudo de Organização e Métodos de Trabalho (O&M), que a empresa realizou de forma unilateral, descumprindo o Acordo Coletivo de Trabalho e a NR-20. Os gestores chegam ao desplante de alegarem que a reestruturação dos efetivos “resultou em número de trabalhadores necessário e suficiente para garantir a segurança, confiabilidade e eficiência de suas plantas industriais”.

A sequência de acidentes nas refinarias e os mais de mil questionários da FUP sobre condições de segurança que foram respondidos pelos petroleiros provam exatamente o contrário. As gerências têm descumprido rotineiramente procedimentos de SMS e normas de segurança, como a própria NR-20. A categoria já trabalha sob riscos de acidentes e ficou ainda mais exposta após a reestruturação arbitrária dos efetivos em áreas operacionais que já foram gravemente impactadas pela saída em massa dos trabalhadores que aderiram aos PIDVs.

No fato relevante, a direção da Petrobrás diz que “avaliou rotinas operacionais em cada posto de operação, tanto em condição normal quanto em situação de resposta a emergência”, mas não cumpre sequer a NR-20, que, desde 2012, prevê cursos constantes de treinamento e reciclagem para os trabalhadores, estudos conjuntos com os sindicatos para definir parâmetros de dimensionamento de efetivos, entre outros procedimentos que até hoje não foram implementados.

Peritos, procuradores e juízes do Trabalho confirmam nas liminares obtidas pelos sindicatos os riscos que a reestruturação arbitrária de efetivos impõe aos trabalhadores e colocam em xeque os argumentos falaciosos da Petrobrás. Na liminar que suspende o estudo na Replan, a Justiça do Trabalho de Campinas foi categórica: “qualquer redução de efetivo deve ser pautada em amplos estudos, que demonstrem que tal alteração garantirá que o trabalho continue a ser desenvolvido de forma segura (item 20.7.5, da NR 20), ainda, mais quando tal redução é tão drástica (13,5% do efetivo) e a atividade empresarial possui grande risco ambiental”.

No Rio Grande do Sul, o Ministério Público do Trabalho afirmou que a gerência da Refap “expõe os empregados a riscos, violando normas relativas à segurança e à saúde dos trabalhadores”, embasando o mandado de segurança obtido pelo Sindipetro-RS, que suspende a redução de efetivos na refinaria. Desde 2013, o sindicato vem cobrando na Justiça o dimensionamento dos efetivos da Refap, em cumprimento à NR-20. O MPT chegou a instaurar um Inquérito Civil para obrigar os gestores a discutirem os parâmetros técnicos com os trabalhadores, o que nunca foi feito pela Petrobrás.

A direção da empresa mente para a Justiça, mente para o Ministério do Trabalho, mente para os trabalhadores, mente para os acionistas, mente para a sociedade.

Caminho livre para a privatização

Por trás do desmonte dos efetivos das refinarias, está a decisão de Pedro Parente de privatizar todo o parque de refino da Petrobrás. O Plano de Negócios e Gestão para o período 2017-2021 já havia anunciado esta intenção, pavimentando o caminho para o governo golpista estabelecer novas diretrizes para o abastecimento. Os gestores da empresa já informaram ao Ministério de Minas e Energia o compromisso com “a não garantia integral do abastecimento do mercado brasileiro por entender que, em sua lógica de negócios, há a previsão do ingresso de mais agentes para o atendimento total da demanda”, como revela o estudo do governo, “Combustível Brasil”. O documento ressalta ainda a decisão da Petrobrás de desenvolver “parcerias no downstream, possibilitando a introdução de outros atores no refino e na logística”.

As medidas de Pedro Parente já fizeram a estatal brasileira perder espaço no mercado doméstico de combustíveis para as suas concorrentes. Só nos primeiros quatro meses deste ano, as importações de gasolina subiram 41,4% em relação ao mesmo período de 2016. É o maior volume desde 2000. O negócio é tão lucrativo que já atraiu para o país 212 empresas importadoras de combustíveis. Enquanto isso, o parque de refino da Petrobrás está operando com pouco mais de 70% de sua capacidade. É, portanto, jogo de cena, os gestores afirmarem que terão que parar unidades de refinarias onde o estudo de efetivo foi suspenso pela Justiça. Essa já é uma imposição do mercado, o “Deus” adorado por Pedro e seus Parentes.

Nova mobilização nesta quinta, 27

Diante de tantos ataques, a única alternativa de resistência que os petroleiros têm é a mobilização. O Conselho Deliberativo da FUP orientou os sindicatos a realizarem setoriais, atrasos na entrada das refinarias e outras mobilizações nesta quinta, 27, quando a redução de efetivos imposta pela Petrobrás será tema de mais uma audiência no Ministério Público do Trabalho. O debate será desta vez em Recife, onde os trabalhadores da Abreu e Lima lutam para suspender os cortes feitos na refinaria. Durante o XVII Confup, que será realizado de 03 a 06 de agosto em Salvador, a categoria discutirá novas estratégias de luta para barrar o desmonte do Sistema Petrobrás.

Federação Única dos Petroleiros

 

Compartilhar: