Pular para o menu
1471969846

Petroleiros participam de ato em Brasília nesta terça em defesa do Pré-Sal e contra a retirada de direitos

23 de agosto de 2016 às 13:30

destaque

Foto: Arquivo

Petroleiros da FUP e de seus sindicatos participam nesta terça-feira, 23, de ato em Brasília contra os projetos de lei 4567, 257 e 241, que representam um retrocesso imenso para o país. O ato, terá início às 14h, em frente ao Anexo II, da Câmara dos Deputados Federias e depois prossegue às 17h, em frente ao Palácio do Itamaraty.

Entenda o teor dos projetos e por que os trabalhadores e movimentos sociais devem resistir para que não sejam aprovados no Congresso Nacional:

PEC 241:  com o propósito de instituir um novo regime fiscal ou um novo teto para o gasto púbico terá como limite a despesa do ano anterior corrigida pela inflação. A regra de congelamento dos gastos valerá por 20 anos. Proíbe o reajuste salarial, a criação de novos cargos ou funções e reestruturação de carreira e realização de concursos públicos. Desvincula de percentual da receita de impostos as despesas com educação e saúde, que não poderão superar o gasto do ano anterior após corrigido pela inflação; ou seja, derruba artigo constitucional que estabelecia repasse mínimo aos setores. É, seguramente, é o maior retrocesso dos últimos tempos, porque interrompe a trajetória de acesso da população mais pobre aos serviços públicos de educação e saúde.  

PL 257: sob pretexto de promover reestruturação fiscal e dialogar com demandas dos governos estaduais, sinaliza com medidas de contenção de custos que vão do arrocho salarial dos servidores públicos à privatização de empresas estatais, implícita na possibilidade de a União aceitar ativos pertencentes aos Estados - empresas públicas e participações acionárias majoritárias -  para futura alienação. Haverá retrocesso com a queda na qualidade do serviço público, prejudicando diretamente usuários e servidores. Abre ainda possibilidade do não cumprimento da política de valorização do salário mínimo, processo que afetaria negativamente milhões de brasileiros.

PL 4567: retira a obrigatoriedade de a Petrobrás ser a operadora única de áreas sob regime de partilha de produção no pré-sal. Ou seja, põe fim à exclusividade da empresa brasileira na exploração destes recursos, abrindo para as multinacionais. No atual regime de partilha a Petrobras é responsável por, pelo menos, 30% da operação de cada bloco contratado para a exploração e a produção de petróleo e gás da camada. Pelo projeto, a aprovação e palavra final de quem será o operador da exploração dos poços ficará sob o crivo da presidência da República. Isso significa que, mesmo que a Petrobrás decida permanecer com 30% de determinada produção do consórcio vencedor, é o presidente quem decidirá. Na prática, qualquer campo do pré-sal poderá vir a ser explorado com 100% de participação estrangeira e zero de presença da estatal brasileira. A exclusividade da operação para a Petrobrás garante apropriação da renda petroleira, segurança ambiental e energética para o país, além do repasse de recursos a setores como a educação. Com a mudanças no modelo de partilha não há a garantia de nada disso.

Acesse http://www.presalemjogo.com.br/ e participe da campanha pelo pré-sal, impedindo que o projeto seja aprovado.

Compartilhar: