Pular para o menu
1381071600
LEILÃO É ATENTADO À SOBERANIA

Petroleiros, Via Campesina e MAB ficarão acampados em Brasília e no Rio até a suspensão do Leilão

Acampamento na Esplanada representa uma das principais ações de repúdio ao leilão

06 de outubro de 2013 às 12:00

destaque

Foto: Graziella Sousa

FUP

Desde quarta-feira, 02, os petroleiros em conjunto com diversos movimentos sociais e a juventude organizada, estão acampados em Brasília, em frente à Esplanada dos Ministérios, onde permanecerão até que o leilão de Libra seja suspenso pelo governo.
O espaço que até sábado, 05, também serviu de cenário para o II Encontro da Juventude Petroleira, tem sido cada vez mais ocupado por sindicalistas, militantes do MAB e da Via Campesina, que compõe a Plataforma Operária e Camponesa de Energia, campanha que a FUP também integra.
Para os trabalhadores do campo e da cidade, o acampamento na Esplanada representa uma das principais ações de repúdio ao leilão, que se for realizado, será o maior crime lesa pátria, já que Libra representa o maior campo de petróleo já descoberto pela Petrobrás e, um dos maiores do mundo, avaliado em um trilhão e quinhentos bilhões de dólares .
Para a integrante do Coletivo Nacional de Mulheres Petroleiras da FUP, Anacélie Azevedo, a iniciativa do acampamento contra o leilão de Libra coloca em xeque não só mais um protagonismo histórico dos petroleiros na luta contra a privatização do petróleo, mas a reinserção da juventude nas mobilizações e na integração com os movimentos sociais. “Toda a categoria precisa ter em mente que este é um momento de intensificarmos a unidade em torno desta batalha que, através da pressão popular, vai forçar o governo e a Petrobrás a suspenderem o leilão de Libra”, enfatizou a petroleira e sindicalista.
Representando o Movimento dos Atingidos por Barragens do estado do Pará, Cristiano Medina ressaltou que o acampamento contra o leilão representa não apenas a luta pela soberania energética, mas de intensificação da unidade da classe trabalhadora do campo e da cidade. “Discutir e pautar soberania é uma das principais formas de se apropriar da riqueza do nosso país. Nós do MAB, estamos aqui porque esta luta também é nossa e a sociedade precisa entender esta mensagem”, afirmou o militante.
Para o Leôncio da Silva, da Via Campesina, o acampamento representa um passo a mais na aliança dos movimentos do campo com os trabalhadores da cidade, principalmente para debater e defender questões tão importantes para o desenvolvimento do país, como o caso da soberania nacional e o uso dos nossos recursos naturais em pró do país e não do capital.
Os petroleiros, assim como todos os movimentos sociais, exigem que o campo de Libra fique integralmente sob o controle da Petrobrás para que gere empregos e investimentos no Brasil.
No Rio, o acampamento está em frente à sede da Petrobrás, sob a organização do Sindipetro-RJ.
Compartilhar: