Pular para o menu
1378238129
TERCEIRIZAÇÃO

Pressão dos trabalhadores surte efeito e votação do PL 4330 é adiada

Deputados que desembarcaram no aeroporto Juscelino Kubitschek, foram recebidos por protesto

03 de setembro de 2013 às 16:55

destaque

Foto: CTB

Surtiu efeito a pressão exercida pelos trabalhadores e centrais sindicais, em especial a CTB, contra ao Projeto de Lei 4330/2004, que defende a terceirização.

Nesta terça-feira (03), após uma série de protestos realizados pela CTB em aeroportos das principais capitais brasileiras, foi suspensa na Câmara Federal a sessão que colocaria em votação o “PL da Terceirização”.

“Um processo de terceirização não pode simplesmente ficar na forma absurda que se pretende. [....]  Esse processo é nocivo aos interesses da classe trabalhadora porque ele pressupõe reduzir salários e isso já está claro. Em média, os trabalhadores terceirizados recebem 30% a menos dos seus salários. A incidência de doenças ocupacionais e óbitos devido às relações de trabalho no atividade terceirizada é muito maior, sem contar que a terceirização desenfreada abre também brecha para um ataque frontal à Previdência Social”, diz Adilson Araújo, presidente da CTB.

Protestos

Em Brasília, na manhã desta terça-feira, deputados que desembarcaram no aeroporto Juscelino Kubitschek, foram recebidos por um  protesto, que pedia a suspensão do Projeto de Lei 4330/2004,  que modifica a relação trabalhista entre empresas e funcionários terceirizados.

Dezenas de sindicalistas distribuíram bananas e carta Aberta aos passageiros que chegavam a Brasília contra o projeto em tramitação, que cria a figura da empresa especializada, proibindo prestação de serviços por parte de empresas que realizam serviços de áreas distintas.

Após o protesto no aeroporto, um grupo de manifestantes foi duramente reprimido pela Polícia Militar quando tentava acessar o anexo II da Câmara da Câmara dos Deputados para participar da sessão da Comissão de Constituição e Justiça que analisaria o PL 4330.

Durante o conflito, a Polícia Militar e a Legislativa fizeram uso do spray de pimenta contra os trabalhadores e trabalhadoras que tentaram entrar na sessão.

Portal CTB

Compartilhar: