Pular para o menu
1373313260
PROTESTOS

Reforma Política precisa ser pautada pelo pensamento progressista

Dilma Rousseff tem uma linha de pensamento capaz de protagonizar uma reforma política democrática

08 de julho de 2013 às 16:54

destaque

Foto: Graziella Sousa

O mundo está atento ao Brasil: o país do futebol. Pátria da seleção que surpreendeu ao derrotar a grandiosa Espanha, mas que, hoje, também é berço de variadas Manifestações. Assim mesmo, com “M” maiúsculo. Isso porque a mídia internacional também vem dando destaque aos protestos protagonizados pelo povo brasileiro e, em sua maioria, conferindo-lhes conotação positiva, já que há um amplo reconhecimento da necessidade de mudanças nas estruturas que regem a Pátria Amada.

O jornal francês Le Monde, por exemplo, ponderou que “Dilma se tornou uma vítima expiatória, como se sua personalidade complexa e reservada pagasse o preço de uma convulsão social inédita, um movimento que mergulha suas raízes nas águas turvas da história dessa jovem democracia com uma gestão política engessada há muitos anos".

O fato é que a presidenta Dilma Rousseff tem uma linha de pensamento capaz de protagonizar uma reforma política democrática, que certamente influenciará outras, ampliando os espaços de luta estratégica para as forças progressistas. Portanto, o movimento nacional que toma corpo não é contra o autoritarismo, nem contra Dilma, pois, de fato, sua administração trouxe mudanças econômicas e sociais. Estas, entretanto, não foram acompanhadas de forma suficiente por transformações institucionais necessárias dos poderes do Estado, dos partidos e dos meios de comunicação.

Este, assim, é um momento crucial e delicado para a Nação. Parafraseando o jornalista Altamiro Borges, o Brasil pode estar no limiar de uma nova fase de seu desenvolvimento político, de aprofundamento e ampliação da democracia, de elevação dos níveis de participação popular na vida política e na governança do país. Por outro lado, pode também sofrer grave retrocesso se a reforma política for pautada pelo pensamento conservador e antidemocrático.

Preocupadas com o direcionamento político que pode ser dado a todo este processo de transição, as centrais sindicais marcaram para o dia 11 de julho uma greve geral em todo o País, numa onda de mobilização batizada como "Dia de Luta". Nessa data, os movimentos sociais irão cobrar do Governo a execução da pauta trabalhista, entregue em março deste ano. Veja os temas da pauta: Fim do fator previdenciário; 10% do PIB para a Saúde; 10% do PIB para a Educação; Redução da Jornada de Trabalho para 40h semanais, sem redução de salários; Valorização das Aposentadorias; Transporte público e de qualidade; Reforma Agrária; Financiamento público para as campanhas eleitorais; marco Regulatório para as comunicações; mudanças nos Leilões de Petróleo; Rechaço ao PL 4330, sobre terceirização.

Compartilhar: