Pular para o menu
1407347845
Regimes

RH local diz não ter autoridade para decidir sobre o fim do ADM no campo

Reunião foi realizada na última terça-feira, 5, sem a participação do RH Corporativo

06 de agosto de 2014 às 14:57

destaque

Foto: Gilson Sá

A Gerência local de Recursos Humanos tem conhecimento da demanda, mas não tem autoridade para decidir sobre o fim do Regime Administrativo nas áreas de campo. Esta foi a posição firmada pelos representantes da UO-RNCE, em reunião realizada na manhã da última terça-feira, 5, com diretores do SINDIPETRO-RN. Conforme acertado anteriormente, em encontro da comissão nacional de acompanhamento do Acordo Coletivo, esperava-se a participação do RH Corporativo, o que não aconteceu. As Gerências dos Ativos de Produção de Alto do Rodrigues e de Mossoró (Canto do Amaro e Riacho da Forquilha) também não compareceram.

A adoção do Regime Administrativo nos campos terrestres de produção é uma das principais causas de insatisfação entre os trabalhadores e trabalhadoras lotados no ATP-ARG, ATP-MO/OP-CAM, ATP-MO/RFQ, e até na Base 34. As queixas pelo aumento do stress no trabalho e sobre as dificuldades no equilíbrio entre a vida familiar/social e a atividade profissional são frequentes. O petroleiro e a petroleira que trabalha nesses Ativos, além de disponibilizar mais de 50 horas semanais para a Petrobrás, tem sua vida familiar bastante fragmentada ou completamente desestruturada. A prática do Regime Administrativo no campo é uma fonte de sofrimento em todos os aspectos.

O Sindicato reconhece que a mudança de regime é uma matéria de âmbito nacional e por isso tem se articulado com a direção nacional da Companhia. A avaliação é confirmada quando a própria gerente do RH local afirma “não ter espaço para decidir”. No entanto, a ausência do RH Corporativo – sem qualquer justificativa, na reunião com o Sindicato, faz parecer que a Petrobras pratica um “jogo de empurra”, a fim de deixar tudo como está. A necessidade de alteração do regime, no entanto, não deveria ser uma preocupação exclusiva dos trabalhadores. Com a adequação, a própria Companhia terá menos custos operacionais e proporcionará melhor ambiência, qualidade de vida e segurança aos seus funcionários.

Mobilização – Sem expectativas de resolução do problema na esfera local, o SINDIPETRO-RN realiza uma assembleia com os trabalhadores do Ativo de Produção do Alto do Rodrigues, no Auditório do S-7, nesta quarta-feira, 6, a partir das 12h30. Em pauta, além dos informes da reunião com o RH, a discussão e aprovação de novos encaminhamentos para a continuidade da luta.

 

Compartilhar: