Pular para o menu
1365511712

Setores econômicos são afetados pela falta de investimento da Petrobras

09 de abril de 2013 às 09:48

destaque

Foto: Reunião sobre política adotada pela Petrobras - Marcos Lima

*Publicado em 27 de Março

Representantes de sindicatos ligados direta e indiretamente ao setor petrolífero se reuniram na manhã de ontem, 26, na sede do Sindicato dos Petroleiros do Rio Grande do Norte (Sindipetro-RN) em Mossoró, para discutir a problemática referente à crise enfrentada pelo segmento atualmente. A situação está afetando vários setores da economia. 
Para o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de Mossoró (Sintracom), Ivanildo Monteiro, a crise envolvendo a política adotada pela Petrobras atualmente já está afetando os profissionais do segmento em que atua. 
Segundo ele, cerca de 50% das empresas que compõem o sindicato estão ligadas à área petrolífera, sendo que de junho do ano passado até o último mês de janeiro foi registrada 1,5 mil demissões no Sintracom."São postos de trabalho que não serão preenchidos, pessoas com dois, três anos de empresa demitidas frequentemente, e a tendência é que essa situação se agrave cada vez mais", pontua.
A situação também atinge o setor de transportes. Conforme o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Mossoró e Região (Sintrom), Francisco de Assis Medeiros, a maior parte das empresas associadas à entidade que administra é composta por prestadores de serviço à Petrobras, o que tem gerado demissões também na área dos transportes. 
"Em 2012, foram 179 demissões, agora em 2013 já contabilizamos mais de 80 desligamentos. As empresas estão quebrando, todas estão tendo prejuízo. O que queremos é que a Petrobras assuma sua responsabilidade social, que a classe política também colabore para que essa situação seja resolvida", conclui Francisco de Assis.

Entidades formarão comissão para recepcionar a presidenta Dilma Rousseff durante sua visita ao RN

De acordo com o presidente do Sindipetro-RN, Pedro Idalino, a reunião resultou em dois pontos principais: a realização de um ato público, com data ainda a ser definida, e a formação de uma comissão que recepcionará a presidenta Dilma Rousseff durante sua visita ao RN, prevista para ocorrer no mês de abril.
"Vamos receber a presidenta Dilma, tentar discutir com ela a questão do investimento relativo à Petrobras em nosso Estado. Também promoveremos um ato público, reunindo os sindicatos que estão sendo afetados com essa crise. Do jeito que está não pode ficar. A Petrobras, a partir do marco regulatório do pré-sal, decidiu direcionar seu investimento para apenas um setor em detrimento de regiões como o Rio Grande do Norte", conta o presidente.
Segundo Pedro Idalino, o Sindipetro já havia alertado sobre a possibilidade de retração no segmento petrolífero há dois anos. "Se não há investimento, ocorre retração, desemprego, que hoje é uma realidade em nossa atividade, e o pior é que a própria Petrobras se nega a dar qualquer tipo de resposta sobre o assunto. Estamos fazendo um chamamento à sociedade, para enfrentarmos esse problema, que pode chegar a um nível incontrolável. Precisamos também do apoio do Poder Executivo municipal, que até agora não se pronunciou a respeito da crise", afirma Pedro, revelando que de janeiro de 2012 a fevereiro deste ano o Sindicado dos Petroleiros registrou mais de 1.130 demissões.

O Mossoroense

Compartilhar: