Pular para o menu
1457535816
Economia

Tribuna do Norte: SINDIPETRO-RN irá à justiça contra venda

Só no RN 38 campos serão negociados, sendo 34 no Riacho da Forquilha e mais 4 em Macau

09 de março de 2016 às 12:03

O Sindicato dos Petroleiros e Petroleiras do RN irá à justiça contra a venda de campos terrestres por parte da Petrobrás. A decisão foi tomada durante reunião dos sindicatos dos Estados da Bahia, Ceará/Piauí, Espírito Santo, Sergipe/Alagoas e Rio Grande do Norte no último sábado (5), na capital baiana.

Só no Rio Grande do Norte 38 campos serão negociados, sendo 34 no Pólo Riacho da Forquilha e mais 4 no Pólo Macau. Eles representam 55,88% dos 68 campos, em fase de produção, que a empresa opera no Estado em terra – sozinha ou como majoritária junto a outras empresas.

A ação conjunta está sob análise da assessoria jurídica das entidades e, segundo o diretor de comunicação do SINDIPETRO-RN, Márcio Dias, irá questionar o que está sendo considerado em valores para a estatal transferir os ativos para empresas que participem da concorrência. A Petrobrás, pontua ele, detém o mapeamento de toda a reserva de campos, além de equipamentos de ponta, e instalações de escoamento, bombeamento, tratamento e  transferência do petróleo e do gás destinadas as refinarias e terminais.

 “Será tudo incluído? Quanto vai se cobrar por isso? Ou será que está só considerando a produção? Qual o impacto para a economia, na distribuição dos royalties, na geração de empregos com a saída da companhia?”, questiona o diretor. Com a cessão da exploração em campos terrestres a Petrobrás espera arrecadar cerca de R$ 800 milhões, segundo estimativa publicada no Jornal “Valor Econômico”. Questionada, a Petrobrás não respondeu quanto espera obter, afirmando que a informação é estratégica.

De acordo com a análise feita pelos Sindicatos, a operação implica em cerca de 257 milhões de barris de óleo e gás em reservas provadas sendo comercializadas. Considerando que “reservas provadas” são aquelas já descobertas , em plena produção, e que o barril de petróleo ainda não extraído vale, hoje, cerca de US$ 3 ou R$ 12, segundo calculo do Sindipetro, o volume a ser repassado à terceiras estaria avaliado em mais de 3 bilhões.

Durante toda a semana, o Sindicato , o Sindicato pretende fazer uma campanha de sensibilização da opinião pública com mobilizações nos principais polos de trabalho da Petrobrás no estado., além de atos políticos e audiências públicas para esclarecer as implicações da retirada dos investimentos no Rio Grande do Norte. “Somos contra a venda. Buscamos a permanência da Petrobrás nas atividades de exploração e produção de petróleo e gás em campos terrestres”, afirma.

O SINDIPETRO-RN calcula que a cadeia produtiva empregava cerca de 40 mil trabalhadores há dez anos, sendo 2,8 mil da Petrobrás e 15 mil nas empresas, além dos postos gerados junto aos serviços, comércio e indústria petroleira. “Com os desinvestimentos ocorridos nos últimos anos, a Petrobrás conta com 2,4 mil e as terceirizadas cerca de 7 mil. Essas medidas devem trazer um impacto ainda maior para a economia do estado, observa Márcio Dias.

Na semana passada, a companhia anunciou o início do processo de “Cessão dos direitos de exploração, desenvolvimento e produção de petróleo e gás natural” e a aprovação da venda de ativos ligados às concessões dos mesmos campos terrestres. A medida envolve 98 concessões de produção, além de seis blocos exploratórios, totalizando 104 concessões terrestres – localizadas nos estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Sergipe, Bahia e espírito Santo.

Fonte: Tribuna do Norte

Compartilhar: